quinta-feira, 30 de julho de 2009

Cobrataete

CORREIO BRAZILIENSE

30/07/09

50 micro-ônibus fora das ruas

Veículos são apreendidos porque cooperativa não pagou ao banco. Dívida das empresas com o GDF é de R$ 6,8 mi

Um ano após a implantação dos micro-ônibus no sistema de transporte público do Distrito Federal, os passageiros ainda enfrentam problemas. Ontem, moradores do Paranoá e de Sobradinho ficaram a pé depois que a Justiça determinou a apreensão de 50 veículos da Cooperativa Brasiliense de Transportes Autônomos Escolares (Coobrataete) por falta de pagamento do financiamento ao Banco de Minas Gerais (BMG). Nem mesmo o valor da outorga de permissão para circular foi pago à Secretaria de Transporte do DF por todas as empresas responsáveis pelos coletivos.

Rodam no DF 450 micro-ônibus. De 300 deles, o GDF não recebeu pelo menos uma parcela do valor da concessão. A dívida aos cofres públicos já chega a

R$ 6,8 milhões. A Cooperativa do Transporte Público Alternativo do DF (Coopertran) e a de Transporte Alternativo do Recanto das Emas (Cootarde) estão com parcelas atrasadas há 60 dias. “Elas podem ter a concessão cancelada, mas enfrento um dilema, porque não posso deixar a população sem os micro-ônibus”, explica o secretário de Transporte, Aberto Fraga. Uma opção seria prorrogar o prazo para o pagamento. “Mas é cedo para definir”, pondera Fraga.

Lotes

A Coobrataete possui dois lotes de micro-ônibus, com 50 veículos cada um. O pagamento do primeiro lote está em dia com o banco, mas não com o governo. A dívida é de R$ 5 milhões. O segundo lote está em dia com o GDF, mas não com o financiador, daí a apreensão. Além desse imbróglio, a Coobrataete teria tentado revender o lote 1 à Coopertran. Por conta disso, perdeu o direito de circular com tais carros. Segundo o presidente da Coopertran, Crispiniano Espíndola, as cooperativas não conseguem pagar as dívidas porque têm linhas não rentáveis. Os presidentes da Coobrataete e Cootarde não foram localizados.

Moradora da Vila Rabelo (Sobradinho), Marizete dos Santos, 41 anos, passou quase 40 minutos no ponto de ônibus ontem. “A gente sai de casa cedo para adiantar as coisas na rua, mas acaba passando o dia inteiro na parada.” A Secretaria de Transporte colocou a Coopertran e a Viação Planeta para fazer as linhas do Paranoá e de Sobradinho, onde a Cobrataete atende, até que esta recupere o lote 2. Apesar de algumas deficiências, os passageiros do DF ganharam em conforto com a chegada dos micro-ônibus. E 22 linhas já estão integradas com o metrô, o que gera economia ao usuário. Em vez de gastar R$ 4,50, o passageiro paga apenas R$ 3.

2 comentários:

rose disse...

procuro por emprego de cobradora me ajude ,meu nome e rosy tenho 27anos

rose disse...

ME DE UMA OPORTUNIDADE